No Mês passado Junho 2018 No Mês próximo
2a 3a 4a 5a 6a S D
week 22 1 2 3
week 23 4 5 6 7 8 9 10
week 24 11 12 13 14 15 16 17
week 25 18 19 20 21 22 23 24
week 26 25 26 27 28 29 30
Newsletter

História da Freguesia de Aljustrel

A história da freguesia de Aljustrel confunde-se obviamente com a do próprio concelho, atendendo ao facto de ambas as circunscrições administrativas possuírem como sede a mesma localidade e também por esta freguesia representar um importante peso territorial (42%) e populacional (53%) do concelho. Naturalmente a história deste território também tem a ver com a natureza geológica do seu subsolo, que desde tempos imemoriais, atraiu o interesse dos muitos povos que por aqui passaram.

O povoamento deste local data de há 5.000 anos, o que corresponde à Idade do Cobre, conforme está comprovado pelos materiais arqueológicos recolhidos na área do antigo castelo. Desde então, a presença humana neste local nunca mais viria a ser interrompida. Contudo, foi durante o período romano (entre os séc. I e III d.C.) que a sua ocupação sofreu um grande incremento, com o aproveitamento em larga escala dos seus recursos mineiros, de onde extraíam, além do cobre, a prata e o ouro. Os romanos, segundo as transcrições das duas tábuas de bronze encontradas em 1876 e 1906 nos escoriais da mina de Algares, designavam o   couto mineiro por Mettalum Vipascencis e a vizinha povoação por Vipasca.

Durante a ocupação árabe foi construído o Castelo de Aljustrel, que no séc. X d.C. era conhecido por Albasturil. Posteriormente a povoação passou a ser designada pelo termo islâmico Al-lustre, desconhecendo-se o seu significado. É assim, que o documento latino em que é escrita a Carta de Doação, feita por D. Sancho II à Ordem Militar de Santiago, bem como o primeiro foral registam esse topónimo, que com a introdução do português é traduzido para Aljuster. Só no século dezoito é que aparece o nome de Aljustrel, o qual se manteve até hoje.

O Castelo de Aljustrel foi conquistado aos mouros, em 1234, no reinado de D. Sancho II, pelos cavaleiros da Ordem de Santiago da Espada, comandados pelo seu grão-mestre, D. Paio Peres Correia. Como recompensa, aquele monarca fez-lhes doação desta praça, assim como uma vasta área de terrenos circundantes, em 31 de Março de 1235. Esta doação viria a ser confirmada por D. Afonso III, que deu a Aljustrel, em 16 de Janeiro de 1252, o primeiro Foral.

Posteriormente, D. Manuel I, concedeu Foral Novo a Aljustrel, em 20 de Setembro de 1510. Nesta época o concelho de Aljustrel era apenas constituído por duas freguesias, a de Aljuster ( S. Salvador) e a de S. João de Negrilhos.

No recenseamento de 1527 ( Numeramento de 1527), mandado executar por D. João II, a freguesia de Aljuster é descrita como possuindo três aldeias: a aldeya das Magras com 35 vizinhos; a aldeya de Rey de Moinhos com 30 vizinhos e Corte Vicente Anes com 18 vizinhos. A freguesia teria ao todo 200 vizinhos ou seja 1243 pessoas.

Com a extinção do Concelho de Aljustrel em 25-11-1895, a Freguesia de Aljustrel foi anexada ao Concelho de Beja, voltando a integrar o seu concelho de origem, quando este foi restaurado em 13-01-1898.

A aldeia das Magras, nos arrabaldes de Aljustrel, com a expansão urbanística verificada nos finais do séc. XIX e princípios do séc. XX, viria a ser absorvida pela malha urbana da própria vila.

A aldeia de Rio de Moinhos permaneceu englobada na Freguesia de Aljustrel até 1985, data da criação da sua própria freguesia, tendo o seu território sido desanexado ao da freguesia de Aljustrel.

No século XIX e até à implantação da República os destinos desta freguesia eram administrados pela Junta de Parochia da Freguezia de S. Salvador da Villa de Aljustrel. 

 
Contador Visitas
mod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_countermod_vvisit_counter
mod_vvisit_counterHoje413
mod_vvisit_counterOntem1597
mod_vvisit_counterEsta Semana413
mod_vvisit_counterEste Mês160979

Hoje: Jun 24, 2018
Temos 82 visitantes em linha